Sessão nº 12
A simbologia e os significados na Bíblia (6)

Ainda recordando….

Dissemos em publicações anteriores que é importante, e, muitas vezes não fácil, percebermos que, “pelo caminho”, se confundiram significações e significantes importantes. Hoje vamos tratar mais um. Vamos à procura, na Bíblia traduzida do grego, do significante e significado GEENA muitas vezes traduzido e confundido por “fogo do inferno”. Se o conteúdo pictórico do tempo antigo é uma mais-valia que nunca devemos perder, especialmente desde o tempo dos ilustres pintores da Renascença, é central que leiamos a Bíblia para além dos extasiantes “frescos” que chegaram até nós. Repetindo-nos, é importante voltar a lembrar que, a Bíblia, é uma mediação, uma ajuda no caminho da vivência e crescimento da fé e nada a biografia do nosso Pai, Deus, Abba, Amor e do seu Filho, Jesus de Nazaré, o Cristo (Ungido), o Messias (Salvador).

Geena e confusão com “fogo do inferno” na Bíblia

A Geena (do grego geenna , γεεννα) é mencionada 12 vezes na Bíblia. Embora essa palavra seja vertida como “inferno” em algumas traduções da Bíblia, a palavra “Inferno” nem mesmo existe nos textos originais da Bíblia (escritos em Aramaico, Hebraico e Grego). A palavra “Inferno” que hoje conhecemos, origina-se da palavra latina “Inferus” ou “Infernus” que significa: “lugares baixos” ou “regiões inferiores “. O conceito de um lugar de castigo eterno pelo fogo espiritual foi combinado com a profecia de Jeremias, do mal contra o vale (Jeremias 19,2-10) desenvolveram uma crença em um lugar de punição espiritual para o qual o nome terrível Geena foi dado. Gaster (BID) sugere que a aplicação do nome da cidade segue a analogia do uso de tais lugares palestinos como Armageddon (Apocalipse 16,16; Zacarias 12,11), Jerusalém (Gálatas 4,26; Apocalipse 21,2), ou Sodoma (Apocalipse 11,8) para conceitos espirituais. Isso pode ser visto a partir da literatura judaica que a ideia era prevalente (Enoch 10,12-14): “[Os pecadores] serão levados para o abismo de fogo na tortura e na prisão serão presos por toda a eternidade.” Cf. também Enoch 18,11-16; 27,1-3; Judite. 16,17; II Esdras 7,36, Sir 7,17; Oráculos de Sibilino 1, 10,3; IQM ,8; Talmude, Aboth 1,6; Assunção de Moisés 10,10. Alguns escritores judeus achavam que as pessoas escolhidas seriam isentas e que a duração seria limitada. Filo, no entanto, ensinou que os judeus ímpios serão punidos também e eternamente (De Praem. Et Poen. 921). A natureza espiritual do inferno é corroborada pelo facto de que ela foi colocada no terceiro céu (Ascensão de Isaías 4,14; II Enoch 40,12; 41,2). A apocalíptica judaica supunha que este vale se tornaria, depois do juízo final, o inferno de fogo. (Enoque Et. 90,26-27; 27,1 e segs.; 54,1 e segs.; 56,3, 4. Desta forma, o nome Geena veio a ser aplicado ao inferno de fogo escatológico de modo geral, mesmo quando já não se localizava em Jerusalém (e.g. 2 Ed 7,36; Bar. Sir. 59,10; 85,13; Sir 1,103).”

 – COENEN, Lothar & BROWN, Colin.

Na Bíblia latina, a palavra “inferno” foi usada para representar o termo hebraico equivalente a “Sheol” e os termos gregos “Hades” e também “Geena”. A maioria das versões em idioma português seguem o latim, e elas não fazem distinção do original hebraico ou grego, podendo assim, trazer problemas de entendimento de textos bíblicos e até mudar alguns contextos do que o autor bíblico realmente quis empregar. A Geena não é a mesma coisa que o inferno (em hebraico, sheohl, e em grego, hades). Jesus usou a Geena como símbolo de destruição eterna. (Mateus 23,33) Ele disse que na Geena “o gusano [ou larva] não morre e o fogo não se extingue”. (Marcos 9,47-48) Com essas palavras, Jesus se referiu às condições no vale de Hinom e também à profecia de Isaías 66,24, que diz: “E realmente sairão e olharão para os cadáveres dos homens que transgrediram contra mim; pois os próprios vermes sobre eles não morrerão e o próprio fogo deles não se apagará.” A ilustração de Jesus descreve, não a tortura, mas uma aniquilação total. Os vermes e o fogo consomem cadáveres, e não pessoas vivas.” Tornou-se o depósito de lixo comum da cidade, onde se lançavam os cadáveres de criminosos, e as carcaças de animais, e toda outra espécie de imundície.”

— Smith’s Dictionary of the Bible (Boston, 1889, Vol. 1, p. 879.),

“Entre os judeus, havia três níveis de culpa, tratados pelos tribunais próprios e com julgamento próprio. A condenação mais severa era a que determinava o lançamento do corpo no vale de Hinom ou Geena, porque mostrava a grande desgraça da pessoa, ilustrando assim a gravidade do crime.”

– CHAMPLIN. R. N.. O Novo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo. Mateus. Volume 1. Página 311.Editora Hagnos. 2ª. Edição. 2001.

Pegando nestas três transcrições de obras consagradas, comentemos:

  1. Jesus nos Evangelhos diz-nos: “Não queirais que a vossa vida vá parar ao fogo da Geena, onde o fogo arde sem cessar. Aí há choro e ranger de dentes”.
  2. Nunca Jesus quis falar em “inferno” como muitas traduções da Bíblia, em particular do NT nos apresentam. A Geena é um lugar ao contrário do inferno;
  3. Geena era a lixeira da cidade de Jerusalém na encosta do Monte Sião até ao vale, conhecido por “Vale do Filho de Hinom”). É um vale em torno da Cidade Antiga de Jerusalém, e que veio a tornar-se um depósito onde o lixo era incinerado e onde se lançavam os cadáveres de pessoas que eram consideradas indignas, restos de animais, e toda outra espécie de imundície. Também as vísceras dos animais dos sacrifícios e holocaustos do Templo de Jerusalém. Usava-se enxofre para manter o fogo aceso e queimar o lixo. Jesus usou o nome e o significado deste vale como símbolo da destruição eterna do homem a quem Deus desejou a salvação.
  4. Jesus nunca está a falar de condenação, pois não está a falar de inferno. Pode ser muito grave para ti, pois és tu que estás a estragar a tua vida, com os teus procedimentos, a ponto de a destinares à lixeira.
  5. Já sabemos que o entendimento duma vida para a lixeira não é opção de Deus. Nós fomos criados com um projeto de vida para atingir a salvação, a plenitude, a vida plena e eterna. Não fomos criados para ir parar à lixeira. Mas a liberdade que Deus nos dá pode conduzir-nos a uma opção humana de condenação – de nada servirmos para além de sermos lixo.
  6. Ainda mais esclarecedor: “A vida é demasiado breve para que se bebe mau vinho” – Johann Wolfgang von Goethe ou, como a vida do homem na terra é breve, não estraguemos tudo: “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração. Sede solidários com os cristãos nas suas necessidades e aperfeiçoai-vos na prática da hospitalidade” (Rom 12, 12-13)
  7. Esta associação do “fogo do vale da Geena” ao “fogo do inferno”, tantas vezes tratado na arte pictórica chegou até à catequese. É terrível o medo transmitido às crianças e adolescentes, quiçá aos adultos, em vez de lhes ser explicada a construção do bem e valor da vida humana na sua pujante vocação para o amor. Deus, o Pai, Amor, mostra-nos em Seu Filho Jesus de Nazaré que, na hora da decisão entre matar ou morrer, prefere morrer. Mostrou-o claramente no momento cru(z)cial.

Pensando apenas no NT, ficam algumas passagens dos Evangelhos e do livro do Apocalipse que, agora estarão, definitivamente, clarificadas.

Marcos 9
45Se o teu pé for para ti motivo de escândalo, corta-o; é melhor para ti entrar coxo na vida do que, tendo os dois pés, ser lançado na Geena. [46].47Se o teu olho for para ti motivo de escândalo, deita-o fora; é melhor para ti com um só olho entrar no reino de Deus, do que, tendo dois olhos, ser lançado na Geena48onde o verme não morre e o fogo não se apaga.

Mateus 5
22Mas Eu digo-vos: todo aquele que se irar contra o seu irmão será réu no juízo; e aquele que disser a seu irmão “Imbecil!” será réu no sinédrio; e aquele que lhe disser “Louco!” será sujeito à Geena do fogo. 29Se o teu olho direito é para ti motivo de escândalo, arranca-o e atira-o para longe de ti, pois é melhor para ti que se perca um dos teus membros do que todo o teu corpo ser lançado na Geena

Mateus 10
28Não tenhais medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Tende, antes, medo de quem pode destruir a alma e o corpo na Geena.

Mateus 19
8Se, porém, a tua mão ou o teu pé são para ti motivo de escândalo, corta-os e lança-os para longe de ti; é melhor para ti entrar na vida estropiado ou coxo do que, tendo duas mãos e dois pés, ser lançado no fogo9E se o teu olho é para ti motivo de escândalo, tira-o e lança-o para longe de ti; é melhor para ti com um só olho entrar na vida do que, tendo dois olhos, ser lançado na Geena do fogo.

Mateus 23
15Ai de vós, doutores da lei e fariseus hipócritas, porque atravessais o mar e a terra para fazer um prosélito, mas, quando tal acontece, fazeis dele um filho da Geena duas vezes mais do que vós. …………………..

33Serpentes, geração de víboras, como fugireis ao juízo da Geena?

Lucas 12
5Mostrar-vos-ei de quem deveis ter medo: deveis ter medo daquele que, depois de matar, tem autoridade para lançar na Geena.

Apocalipse 19
20Mas a besta foi presa, e com ela o falso profeta que havia realizado os sinais milagrosos em nome dela, com os quais ele havia enganado os que receberam a marca da besta e adoraram a imagem dela. Os dois foram lançados vivos no lago de fogo (Geena) que arde com enxofre.

Apocalipse 20
10O Diabo, que as enganava, foi lançado no lago de fogo (Geena) que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta. Eles serão atormentados dia e noite, para todo o sempre.

Apocalipse 20
14Então a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo (Geena). O lago de fogo (Geena) é a segunda morte.

 Faz, pois, todo o sentido ler a Bíblia com ouvidos que veem para além dos sons e olhos que ouvem a poética da mensagem do nosso Deus tão próximo na brisa que nos perpassa. As metáforas, as imagens, os significados do quotidiano nómada, pastoril e/ou agrícola da época são muito frequentes na Bíblia. Temos de estar muito atentos para perceber a mediação entre o homem e Deus que é a Bíblia, deixada pelos escritores inspirados.

 (Continua)