Homenagem aos profissionais de saúde no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia e Espinho

Eucaristia de Ação de Graças e Louvor foi presidida por D. Armando Domingues

“Numa época ainda difícil, em consequência da Pandemia de COVID 19, o Serviço de Assistência Espiritual e Religiosa do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho quis proporcionar um momento de manifestação de fé, renovando a esperança e reafirmando a confiança em Deus, agradecendo-Lhe pela dedicação e pela coragem daquelas e daqueles que servem a nobre tarefa do cuidado dos doentes infetados”

Pelas 16 horas de sexta-feira, 17 de julho, em frente à capela do hospital, em clima de estio muito forte e aproveitando as sombras das árvores frondosas existentes, cerca de seis dezenas de profissionais de saúde e gente anónima escutaram a Palavra e celebraram a Eucaristia.

O convite havia sido feito pelo capelão do Centro Hospitalar, Padre Albino Reis, e, são suas as palavras de introdução. Depois de agradecer a disponibilidade do Conselho de Administração representado pela Enfermeira-diretora Patrícia Cardoso, o apoio logístico da Liga de Amigos do CHVNG/E lembrou o espírito da iniciativa, citando o Prefácio da Missa: “Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso. Ainda que os nossos louvores não vos sejam necessários, vós nos concedeis o dom de vos louvar. Eles nada acrescentam ao que sois, mas aproximam-nos de vós, por Jesus Cristo, vosso Filho…”

Presidiu à celebração D. Armando Esteves Domingues, bispo auxiliar do Porto, em substituição do Bispo titular D. Manuel Linda a cumprir isolamento profilático. Com ele concelebraram: o capelão do CHVNG/E, Padre Albino Reis, já referido, o também capelão do CHVNG/E, Padre José Pedro e o Padre Joaquim Paiva, vigário da vara da Vigararia de Gaia-Sul. Também presentes os diáconos, Angélico, José Luís e Alberto.

A animação coral (órgão e vozes) esteve a cargo de 3 elementos do Conservatório Regional de Gaia.

O texto da leitura de Isaías – Is 38, 1-6.21-22.7-8- “Então a palavra do Senhor foi dirigida a Isaías, com esta mensagem: «Vai dizer a Ezequias: Assim fala o Senhor, Deus de teu pai David: Escutei a tua prece e vi as tuas lágrimas. Vou acrescentar à tua vida mais quinze anos e hei de livrar-te das mãos do rei da Assíria, a ti e a esta cidade, que Eu protegerei.” – deu o mote à homilia de D. Armando.

Referiu que tantas vezes ouvi/ouvimos a pergunta: Onde está Deus?  E crentes ou não crestes parecem ficar atónitos. Mas, a resposta é simples: Deus está em ti que te fazes perto, disponível, acolhedor. Está na mão do médico, do enfermeiro, do auxiliar, etc. Como na leitura, Isaías foi o intermediário de Deus para o doente (o Rei Ezequias). Também nesta época difícil que atravessamos, a dedicação dos profissionais de saúde, o risco, dias e dias fechados nos hospitais longe das famílias, o sentido de irmã/irmão foi notável. Obrigado profissionais de saúde deste e outros hospitais.

Houve tempo, ainda, para D. Armando ler parte do poema da canção de Beyoncé “I was here”, que foi fundo de um vídeo viral de apoio às vítimas do COVID-19.

Eu estive aqui
Quero deixar minhas pegadas nas areias do tempo
Saber que havia algo lá
E algo que deixe para trás
Quando eu deixar este mundo, não deixarei arrependimentos
Deixarei algo para ser lembrado, e eles não se esquecerão
Eu estive aqui
Eu vivi, eu amei
Eu estive aqui
Eu fiz, eu tenho feito
Tudo que sempre quis
E foi mais do que eu esperava que fosse
Deixarei minha marca para que todos saibam que
Eu estive aqui

Sim, eu, tu, nós estivemos e dissemos presente. E continuamos a dizer presente. Obrigado.

A celebração terminaria com um cântico de Ação de Graças à Mãe, cantado pelo grupo “Vozes do Monte” do CHVNG/E liderado pela Dra. Paula Fernandes.

(inf: José Santos)

  • -->