Sessão nº 2
A Bíblia  “Uma abordagem prévia, para entender o óbvio”

Três entradas para reflexão.
Como criar ambiente para entender a Bíblia?
Ler a Bíblia não é fácil.
Mas mais difícil se torna quando se pensa, sem espaço para a dúvida, que sabemos ler a Bíblia.
Raramente se discute o tema de literacia geral. Queremos mais e mais. Licenciado e Doutor.
Mas, na literacia para a Fé Adulta, ou temos literacia zero ou o nível infantil, mesmo que tenhamos 50 anos.
Razões: o “catoliquês”, a pastoral, a catequese paroquial, desinteresse, etc…
Felizmente há exceções e há sinais de que o Espírito de Deus e Jesus nos está a visitar.
Há “fome” de Deus, mas o tema é “escorregadio”. Talvez menos, quando falamos de Jesus.
Há tanto a fazer na evangelização das nossas comunidades. Sem proselitismo, mas com a Verdade, porque todos somos filhos de Deus, crentes e não crentes.

Primeira entrada: (ver e ouvir no silêncio)
  1. Dos gregos aprendemos, e isso atravessou todos os séculos até hoje, que todo o ser humano, por diferente que seja, possui três características transcendentais (estão sempre presentes, pouco importa qual a situação, o lugar e o tempo): o unum,verum e o bonum, que quer significar:
    1. O ser humano goza de uma unidade interna que o mantem vivo;
    2. O ser humano é verdadeiro, porque se mostra assim como de facto é;
    3. O ser humano é bom porque desempenha bem o seu lugar junto dos demais, ajudando-os a existir e a coexistir
  1. Um dos grandes apreciadores da beleza foi Fiodor Dostoiewski. A beleza era tão central na sua vida, conta-nos Anselm Grün, monge beneditino e grande espiritualista, no seu último livro “Beleza: uma nova espiritualidade da alegria de viver”(Vier Türme Verlag 2014) que o grande romancista russo deslocava-se, pelo menos uma vez ao ano, até Dresden, na Alemanha, só para contemplarl, na capela da cidade, a formosa Madona Sixtina de Rafael. Permanecia longo tempo em contemplação diante daquela esplêndida figura. Movia-o, na verdade, a busca da beleza e deixou imortalizada essa busca na famosa frase: ”A beleza salvará o mundo” no livro O Idiota.
  2. No romance “Os irmãos Karamazov”, aprofunda esta questão da beleza. Um ateu Ipolit pergunta ao príncipe Mynski como é que “a beleza salvaria o mundo”? O príncipe nada diz, mas vai junto a um jovem de 18 anos que agonizava. Aí fica cheio de compaixão e amor até ele morrer. Com esta atitude, quis dizer-nos: a beleza é o que nos leva ao amor condividido com a dor; o mundo será salvo hoje e sempre enquanto houver essa atitude.

………..

  1. O Papa Francisco conferiu especial importância na transmissão da fé cristã à via pulchritudinis (a via da beleza). Não basta que a mensagem seja boa e justa. Ela tem que ser bela, pois só assim chega ao coração das pessoas e suscita o amor que atrai (Exortação A alegria do Evangelho, n 167).

(texto de Leonardo Boff com adaptações)

Em última leitura, a expressão “a beleza salvará o mundo”, só tem sentido quando se está enamorado, apaixonado. Quando o coração escuta para além dos ouvidos. Falar para o coração é como o Abba/Papá nos fala ao longo da Bíblia. Mas, para isso temos de estar enamorados, pelo “beicinho”, com o projeto de amor que Ele nos mostra ao longo do AT e que, a Palavra feita carne, humanizada em Jesus de Nazaré, nos convoca na nova aliança, o NT.

Segunda entrada: (Deus é Amor em plenitude)
  1. Temos de aprender a ler a Bíblia e, principalmente, o AT – Antigo Testamento. É erróneo ver um Deus bom e um Deus castigador no AT. Uma heresia.
  2. O nosso Deus é Amor. E di-lo tantas vezes ao longo do AT, escrito por homens (imanência), mas inspirados pelo espírito (transcendência). Ficam, abaixo, citações do A.T. como Deus Se diz, ou como dizemos Deus.
    1. Ex 34 ,6-7 (Livro do Êxodo)
      “6Então Deus passou diante de Moisés e disse em voz alta:
      — Eu sou o Senhor, o Deus Eterno! Eu tenho compaixão e misericórdia, não fico irado com facilidade, e a minha fidelidade e o meu amor são tão grandes, que não podem ser medidos. 7Cumpro a minha promessa a milhares de gerações e perdoo o mal e o pecado. Porém não deixo de castigar os seus filhos e até os netos, os bisnetos e os trinetos pelos pecados dos pais.”
    2. Salmo 86,15
      15Mas tu, Senhor, és Deus de compaixão
      e de amor;
      és sempre paciente, bondoso e fiel.
    3. Salmo 103,8-14
      8O Senhor é bondoso
      e misericordioso,
      não fica irado facilmente
      e é muito amoroso.
      9Ele não vive nos repreendendo,
      e a sua ira não dura para sempre.
      10O Senhor não nos castiga
      como merecemos,
      nem nos paga de acordo com
      os nossos pecados e maldades.
      11Assim como é grande a distância
      entre o céu e a terra,
      assim é grande o seu amor
      por aqueles que o temem.
      12Quanto o Oriente está longe
      do Ocidente,
      assim ele afasta de nós
      os nossos pecados.
      13Como um pai trata com bondade
      os seus filhos,
      assim o Senhor é bondoso
      para aqueles que o temem.
      14Pois ele sabe como somos feitos;
      lembra que somos pó.
    4. Os 11,8-9 (Livro de Oseias)
      8“Israel, como poderia eu abandoná-lo? Como poderia desampará-lo? Será que eu o destruiria, como destruí Admá? Ou faria convosco o que fiz com Zeboim? Não! Não posso fazer isso, pois o meu coração está comovido, e tenho muita compaixão de vós. 9Não deixarei que a ira me domine, não destruirei o meu povo outra vez. Pois eu sou Deus e não um ser humano; eu, o Santo Deus, estou no meio do meu povo e não o destruirei novamente.”
    5. Jonas 4,2 (livro de Jonas)
      2Ele orou ao Senhor: “Senhor, não foi isso que eu disse quando ainda estava em casa? Foi por isso que me apressei em fugir para Társis (em ver de ir para Nínive como o Senhor ordenara). Eu sabia que tu és Deus misericordioso e compassivo, muito paciente, cheio de amor e que prometes castigar, mas depois te arrependes.
    6. Is 54,7-8 (Livro de Isaías)
      7Eu a abandonei, (a esposa Israel) mas só por um momento, e agora, com grande amor, eu a receberei de volta. 8Na minha ira e no meu furor, eu me escondi de ti por um momento; mas com amor eterno eu terei compaixão de ti.” É isso o que diz o Senhor, o seu Salvador
Terceira entrada: (O Amor feito carne em Jesus de Nazaré)
  1. A Nova Aliança (Jesus de Nazaré) começa a cumprir-se por quem a veio trazer/inaugurar. Deus veio de novo visitar o seu povo. A humanização de Deus para a divinização do homem. Hoje é claro que Jesus foi homem e, nele, Deus cumpriu a Palavra porque a Palavra se fez carne. (Jo 1, 1-18)
  2. A humanização de Deus em Jesus tem de ser percebida e louvada. O Sermão da Montanha mostra o projeto de Deus na visibilidade de Jesus, como o Monte Sinai havia mostrado o projeto de Deus na invisibilidade a Moisés. É Jesus quem diz: “Quem me vê a mim vê o Pai” (Jo 14,9)
  3. Como foi anunciado que Jesus era o enviado do Pai?
    Lc 4, 16-19
    “16Foi a Nazaré, onde fora criado, e, segundo o seu costume, entrou em dia de Sábado na sinagoga e levantou-se para ler. 17Foi-lhe dado o livro do profeta Isaías. Desenrolando-o, encontrou a passagem onde estava escrito: (Is 61, 1-2)
    18O Espírito do Senhor está sobre mim,
    porque me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres,
    enviou-me a proclamar aos
    prisioneiros a libertação
    e aos cegos a recuperação da vista,
    a mandar em liberdade
    os oprimidos,
    19a proclamar um ano favorável do Senhor [9].Uma nota importante:
    No discurso da sinagoga de Nazaré, Jesus omite o resto do versículo 2 que diz:e o dia da vingança da parte do nosso Deus. Porquê????

Para bem começarmos o trabalho sobre a Bíblia é necessária limpeza de cabeça e abertura de coração.
Como não somos capazes de perceber bem os nossos tetravós, se não percebermos bem os tempos, modos e a linguagem dos seus tempos, também o mesmo se exige para uma leitura e vivência dos conteúdos da Bíblia, com olhos que veem e ouvidos que ouvem e coração que ame. Também a diferença entre história e estórias, linguagem e gramática, simbologia e literalidade.

Exijamos a nós próprios este ambiente de escuta quando abrimos a Sagrada Escritura. Só assim perceberemos o Reino anunciado, que é já hoje, agora.

A SEGUIR: O que é a Bíblia? Achegas fundamentais.